Facing Fear: banda concede entrevista ao site Full Rock

Reconhecidos pela cena nacional por sua paixão ao heavy metal, a Facing Fear é um dos carros-chefe do movimento NWOTHM no Brasil. Seu exemplo de luta e perseverança serve de estímulo a muitas bandas que pensam em parar por falta de apoio, pois o amor pelo que faz transformado em carisma e respeito para com o público, a torna mestre na arte da conquista.

Prova disso, é a quantidade de shows marcados em lugares como São Paulo e Rio de Janeiro, onde há um número maior de apreciadores de sua música. Esta realidade está para ser expandida com a visita da banda ao Nordeste, onde tocará no emblemático “Infektor Self Festival #4”, em Teresina/PI. O evento que acontecerá no dia 20 de outubro ainda reunirá mais nove bandas.

Sobre esse assunto e outros ligados à cena metal no Brasil, o site Full Rock procurou o grupo para uma entrevista, onde Terry Painkiller (vocal), Raphael Dantas (guitarra) e Nathalia Souza (baixo) discorreram sobre experiências, conciliação de tempo, mudanças na formação, competências e apoio das mídias. A banda é completada por Vall Maranhão (bateria).

Confira trechos da conversa com o produtor Pedro Hewitt:

Qual o conceito da Facing Fear?

Raphael: Bom, simplesmente tocar o nosso Heavy Metal e fazer com que chegue ao maior número de pessoas nos quatro cantos do mundo. Tendo também a ideia de inspirar o nosso público em não desistir de seus respectivos sonhos e alertando aos males que enfrentamos no cotidiano, tentamos representar esse conceito o máximo possível nas canções. Apesar de alguns temas obscuros que usamos e usaremos no decorrer do tempo, nada irá ser algo como imposição ou para desencorajar, nesse caso seria somente abordar. Gostamos muito de nos inspirar em filmes e livros também, porque a meu ver a cultura soma muito na vida de um ser humano.

Basicamente 2 anos de existência e uma quantidade de shows bem interessante, fora a repercussão das vendas e das mídias divulgando vocês. O que vocês têm a dizer sobre o cenário ao redor de cada um? E no Brasil?

Terry: O cenário no Brasil vive aos trancos e barrancos. Vive mais na fé do que numa base sólida. Os produtores se resumem em dois grupos: Aqueles que querem ganhar dinheiro com o underground e aqueles que fazem apenas para manter o Heavy Metal em sua localidade, sabendo que é por paixão mesmo. As bandas se resumem em três grupos: aquelas que encaram tudo como brincadeira, aquelas que encaram como negócio e as que estão perdidas. E o público, em maioria no Brasil, não apoia devidamente o trabalho autoral. Felizmente há uma minoria grande neste país que gosta realmente do gênero, onde não “torcem os beiços” para um trabalho autoral de qualidade.

Ter algumas bandas ou projetos extras é um tanto trabalhoso, expliquem como funciona ou a forma que fazem para conciliar outros projetos e suas vidas fora de palcos.

Nathalia: Bem, atualmente eu sou baixista de 3 bandas, Facing Fear, Oxiürus e Speed Lion, que é um projeto do qual ainda se encontra em fase de composição. No momento além das minhas bandas eu estudo e trabalho em dois empregos, a administração de tempo é a grande questão nisso tudo. Estar em uma banda não se resume somente a tocar, se resume à família, comprometimento, paixão e dedicação, ou seja, devemos direcionar a maior parte da nossa atenção e do nosso tempo para elas.

Após uma jornada de apresentações após o lançamento do EP Lutaremos pelo Metal, vocês embarcarão em vários km para tocar em Teresina/PI, no Infektor Self Festival #4. Quais as expectativas?

Terry: Eu espero que a galera esteja com as letras na ponta da língua. Tanto as do EP quanto as novas, já que Vall faz questão de publicar vídeos com as músicas e letras anexadas. Não subimos ao palco para nos enaltecer. Subimos ao palco para fazer da vida das pessoas algo melhor, para trazer algo melhor para elas. Aquelas benditas horas que permanecemos no palco, investidos em figurinos, é justamente para trazer aquilo que o público quer… O bom e velho Heavy Metal sejam sonora ou visualmente. Sobre ser corrido… Bom… Estamos acostumados a isso… “It’s hit n’ run!”

A entrevista na íntegra você confere pelo link:

http://www.fullrock.com/2018/05/facing-fear-se-voce-nao-tratar-sua.html?m=1

Contato:

www.facebook.com/Facingfearhmb

Assessoria:

www.braunamusicpress.com